Páginas

sábado, 25 de março de 2017

Power Rangers - Crítica.


Em 1975 é lançada no Japão,
a primeira série Super Sentai.

De criação de 
Shotaro Ishinomori 
(também criador de Kamen Rider)
Himitsu Sentai Goranger
deu início há uma franquia que
dura até hoje.

Algumas dessas series chegaram
ao Brasil é fizeram a alegria
das crianças, como foi o caso
de Changeman e Flashman.


Porém em 1993, 
o produtor de TV,
Haim Saban resolveu criar
uma versão americana dos
Super Sentai e assim nasceu
Might Morphin Power Rangers.


De lá pra cá, tiveram muitas séries
(e até filmes) e agora
chegou a hora dos Rangers renascerem
com um novo filme, bem diferente de tudo 
o que já foi feito na franquia antes.


É hora de Morfar.



(Stark Rangers)


Já havia algum tempo, que as pessoas
tinham a ideia de fazer uma versão
mais séria dos Rangers.

Os próprios Sabam e 
Jason Frank(o eterno Ranger Verde/Branco)
soltaram que eles poderiam está
fazendo isso, há alguns anos.

Depois vieram os fan filmes com
pegadas mais sombrias e que agradaram
a maioria.

E então não deu outra, um
filme oficial foi anunciado.

E então, qual é a pegada
do filme ?

Ele é uma homagem á
série ?

E o principal:
O filme é bom ?

É, o que vamos descobrir.



(Clube dos Cinco)


O estilo do filme é um misto.

Ele é bem mais sério que qualquer 
temporada de Power Rangers, mas
não chega á ser sombrio(tá, só um pouco)

Na verdade a pegada do filme, é parecida
com um filme de super-herói atual.
Ele poderia muito bem, se passar por um filme
da Marvel ou da DC.



O filme homenageia sim a série, 
porém melhora pontos nela
que deixavam á desejar.

Os buracos na história original
de quem são Zordon e
Rita Repulsa ganham boas
explicações e os próprios Rangers
melhoram bastante e agora
parecem com adolescentes reais.

Esse era um dos problemas da série, 
todos os Rangers eram
perfeitos.

Eles não tinham falhas de caráter, não eram
imaturos e nem nada disso, no filme não, tudo mudou.

Jason(Dacre Montgomery) é um ex-jogador
promissor de Futebol Americano da escola, que se
tornou um garoto problema, pressionado pelo pai.

Kimberly(Naomi Scott) é uma menina
fútil e egoísta, que viu o que havia
se tornado e não gostou.

Trini(Becky G) é anti-social e
tem problemas de relacionamento com
a família.


Billy(RJ Cyler) é o típico Nerd
solitário.


E por fim Zack(Ludi Lin)
é um cara que se faz de machão
pra esconder a frustração que sente
por causa da doença de sua mãe.


Todos se parecem com pessoas reais, que
tem problemas reais e isso é muito bom.

Tá e os outros personagens ?

O Zordon de
Bryan Crasnton é
bem interessante,
a Rita Repulsa de
Elizabeth Banks
é assustadora e
o Alpha 5 de
Bill Hader ficou
menos irritante que o original
e isso é uma melhora também.



(Magia ?)


Outra coisa legal no longa
são as referencias as outras
obras, como as mais
óbvias que são a série
original, os Super Sentai, Marvel, DC e o clássico
filme dos anos 80, Clube dos Cinco,
até as mais obscuras.


Bem, mas o filme não só tem coisas boas.

O primeiro é um problema no tom.

As vezes ele beira o sombrio,
noutras parece um filme mais
tranquilo.

Acho que eles deveriam ter conseguido
um equilíbrio melhor.


Segundo problema: Não tem muitas cenas de ação.

Sim, elas são poucas, mas pelo menos
são muito boas, o que compensa,
acredito eu.




Bem, acho que não tem porque me
alongar mais.

O filme é bom, é divertido
e vale muito á pena assistir.

Espero realmente que esse seja
o início de uma nova franquia 
nos cinemas.

(Ah e tem cena entre os créditos.)


Agora se me dão licença,
eu vou ali pegar o meu morfador.





MORPHENOMENAL !!!






Título: Power Rangers.

Ano: 2017.

Direção: Dean Israelite.

Roteiro: John Gatis, Matt Sazama,
Burk Sharpless, Michele Mulroney
e Kieran Mulroney.


Elenco: 
Dacre Montgomey, Naomi Scott,
Becky G, RJ Cyler, Ludi Lin,
Bryan Crasnton, Elizabeth Banks,
Bill Hader, entre outros.



Nota: 8/10.












sábado, 11 de março de 2017

Kong: A Ilha da Caveira - Crítica.


Monstros gigantes sempre foi um bom tema para
uma história.

É impressionante o fascínio que as pessoas 
tem com essa premissa.


Hollywood sabe disso, tanto que sempre
que pode lança um novo filme com uma criatura gigantesca.

Mais existe um desses monstros que não é um
qualquer, ele é um rei.


Sim, eu falo do King Kong.

(Uma ilha do inferno.)


Desde do seu primeiro filme lá de 1933,
o macacão é um dos personagens mais
icônicos do cinema.

Ele teve outros filmes, sendo
os mais famosos deles,
os remakes
de 1976 e 2005.

Agora é a hora de outro filme, com uma pegada um
tanto diferente.



(É, esse monstro não dá pra colocar em jaulas.)


Ao contrário do filme original que se passa nos anos 30,
a nova história se situa nos anos 70, logo após o fim
da guerra do Vietnã e mostra um grupo de pesquisadores
e militares que vão visitar a mítica Ilha da Caveira e lá
eles encontram coisas terríveis e precisam lutar 
se quiserem sobreviver.


O filme tem cenas de destruição espetaculares
e as cenas de lutas do Kong contra as criaturas são ainda
melhores.



Ao contrário do filme do Peter Jackson por exemplo,
aonde o Kong demorava á aparecer, nesse 
ele não demora muito á mostrar todo á sua
grandiosidade.


Sim, esse King Kong é gigantesco, tendo
30 metros de altura.


("Cara, era melhor apanhar do Thor.")


Um ponto que pode ser considerado negativo
no filme é o pouco desenvolvimento dos
personagens.


Tom Hiddleston, Samuel L. Jackson,
Brie Larson, John C. Reilly, John Goodman e Toby Kebbell
se esforçam e nós entendemos as motivações
de seus personagens e o motivo deles estarem 
ali, mas não vai além disso.

O filme se concentra mesmo é no Kong e nas
outras criaturas da ilha.

Na minha opinião é um acerto, afinal
o ponto tem que ser esse mesmo.




(Apocalypse Kong.)


Finalizando, Kong: A Ilha da Caveira, tem
uma boa história, boas cenas de ação
e personagens interessantes.

É um bom filme.

Resta agora aguardar o tão
esperado confronto
com o Godzilla
(sim, caso não saiba eles habitam o mesmo universo.)

E é isso galera, podem assistir o filme tranquilos,
que a diversão é garantida.







Título: Kong: A Ilha da Caveira.
(Kong: Skull Island.)


Ano: 2017.

Direção: Jordan Vogt-Roberts.



Roteiro: Max Borenstein, John Gatins,
Dan Gilroy e Derek Connolly.




Elenco:
Tom Hiddleston, Samuel L. Jackson,
Brie Larson, John C. Reilly, 
John Goodman, Toby Kebbell,
entre outros.



Nota: 8/10.





















sexta-feira, 10 de março de 2017

Personagens Gatas - Feiticeira Escarlate.




Fala galera, hoje é dia de mais
um post na seção personagens
gatas e nossa musa de hoje é
a mulher que literalmente
já fez o universo Marvel virar
de ponta á cabeça.

Estou falando dela,
a Vingadora, uma das mulheres mais poderosas 
das HQs e 
 (ex?) filha de Magneto,
Wanda Maximoff, mais
conhecida como a 
Feiticeira Escarlate.


Criada por Stan Lee e
Jack Kirby, Wanda apareceu
pela primeira vez em 1964
na revista X-Men N: 4,
ao lado de seu irmão Mercúrio.

Em suas primeiras aparições, 
a Feiticeira Escarlate era uma vilã, mas
logo passou para o lado dos heróis 
e junto de seu irmão se uniu aos Vingadores.

Se tornou uma das principais integrantes da equipe
e se casou com outro membro, o sintozóide Visão.


Mas após isso Wanda foi responsável por megas-sagas
no universo Marvel como Vingadores: A Queda
aonde matou membros da equipe e destruiu metade
da cidade de Nova Iorque.

Dinastia M, aonde alterou a realidade, criando um mundo
aonde mutantes escravizaram os humanos
e por fim o Dia M, aonde Wanda após
dizer uma única frase:

"- Chega de mutantes."


Matou e tirou os poderes de quase toda a população
mutante da Terra.



Felizmente depois de todas essas tragédias, a Feiticeira se recuperou
e voltou a ser uma grande heroína.

Bem, chega de conversa.

Hora das imagens.














































quinta-feira, 9 de março de 2017

Qual vai ser agora Rick Riordan ?


Fala galera leitora de
Crepúsculo e Cinquenta Tons de Cinza.

Prontos para uma postagem nerd, que
vocês irão esquecer depois de 10 minutos ?

(Se isso acontecer a culpa será minha, por eu escrever algo esquecível.)

Bem chega de besteira, hora de falar sobre o que é
o post de hoje.

Talvez esse título ruim e ambíguo 
da postagem não tenha deixado claro.

Mas o artigo de hoje será especulativo.

Mas antes de mais nada, uma pergunta:


Você conhece o trabalho de Rick Riordan ?

Não?! Seu energúmeno, agora serei obrigado
á explicar.




Passou a mão no Raio.


Riordan é ninguém menos que o
autor da série de livros do
Percy Jackson, sim isso mesmo.

" Livros ? eu só vi os dois filmes."

.....
Então vai beber desinfetante e some daqui.

Pra galera sensata que ainda está aqui,
os livros se baseiam na mitologia grega,
trazendo os antigos deuses e monstros 
para os dias de hoje.

Percy Jackson e os Olimpianos, fez
tanto sucesso, que o Riordan resolveu criar
outras séries sendo elas:



Os Heróis do Olimpo

Essa é basicamente uma sequencia de Percy Jackson
só que com novos personagens como protagonistas 
e focado na mitologia romana, ao invés da grega.

Pode até parecer que a mesma coisa,
mas não se enganem
não é.









Sacerdotes, magos, múmias, gatos
e serpentes.



A terceira série de Riordan é as
Crônicas dos Kane.

Focada dos deuses do Egito, a trilogia
de livros é muito boa.

Mostrando as aventuras dos irmãos Carter e Sadie Kane.









Não, não é o Kurt Cobain


A mais recente obra de Rick Riordan 
é a saga(ainda não concluída)
Magnus Chase e os Deuses de Asgard.

Como o nome já sugere, essa se baseia na
mitologia nórdica e coloca o protagonista
ao lado de deuses como Thor, Odin, Loki
e etc.

Como sempre, a história é bem empolgante e
bem humorada.



Bem, agora que já falei das
séries lançadas pelo autor, chegou a hora
de falar sobre o que será o post em si.

Aqui tentarei adivinhar e especular
quais mitologias poderiam servir como
base para novos livros de Rick Riordan
no futuro.



Vamos começar logo com isso, que eu tenho
que ir ver Naruto.











Mitologias Japonesa/Chinesa/Tailandesa

Uma boa possível fonte de inspiração para o
autor, são as mitologias Japonesas, chinesas
e tailandesas.

Todas são extremamente ricas de deuses, monstros
e heróis.

Seria uma boa base para uma possível saga
de livros.

Talvez Riordan quisesse misturar
as três em uma saga só ou fazer algo similar
ao que fez com a grega e a romana
e dividir cada uma delas em series interligadas
diretamente, vai saber.




Mitologia Hindu


Ainda na ásia, outros mitos que poderiam servir
como base pra uma história são os Hindus.

Mas aqui temos um problema.

Ao contrário das outras histórias que se
basearam em deuses, que hoje em dia, são
visto como mitos e não mais como religião,
a religião hindu é ainda muito ativa e tem
inúmeros adeptos ao redor do mundo, que
poderiam ficar ofendidos com teor da história.


Tá, já teve gente que usou o Hinduísmo como
base para suas histórias(Shurato é um exemplo),
mas talvez o Riordan queira evitar possíveis dores de cabeça.








Mitologia Celta

De todas as mitologias citadas aqui até agora,
a Celta é uma das mais prováveis que vire
a inspiração para uma saga.

O motivo ?
Simples, ela faz mais o "estilo" do Riordan.

A mitologia Celta tem mais de trezentos
deuses e muitos deles são similares aos
deuses romanos.

Sério, é um pátrio cheio para o autor.







Mitologia Asteca/Maia/Inca



Todas as três são extremamente ricas de deuses e 
monstros e poderiam perfeitamente
servir como base para novas histórias.







Bem, é isso galera.

Sei que esse post ficou uma
bosta.

Isso não se repetirá.

Agora se me dão licença:

É hora de Naruto.

"You are my friend.
Ah ah , Ano hi no yume
Ima demo mada wasuretenain desho ?
You are my dream..."































Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...