Páginas

domingo, 19 de fevereiro de 2017

As Melhores músicas com nomes femininos.


Fala meus amigos.

O post de hoje será um tanto diferente, será mais
uma vez uma das raras postagens musicais no blog,
mas dessa vez resolvi inovar.

Farei aqui um breve compilado das principais
músicas com nomes femininos.

Pois bem, quando se trata de música romântica 
é bem comum um compositor ou cantor
fazer uma música com o nome de uma mulher.

A lista de músicas nessa categoria é bem
vasta, mas vou falar aqui das que conheço
melhor.

Hora de para de enrolar e ir em frente com esse
post que tocará os corações dos casais.

Ter uma namorada pra me ajudar 
aqui seria bem legal agora....

É...hã... vamos nessa.






Anna Júlia - Los Hermanos


Essa primeira música, mostra um
cara que é apaixonado por uma menina, mas
ela nem parece saber que ele existe.
(Parece a história da minha vida).

Sério é uma grande música e acho
que todo mundo já passou por isso.



                           



                                                    

                                                Carla - LS Jack



É outra música legal nacional.
"Carla"da banda
LS Jack é uma baita
declaração de amor.

Foi uma das músicas mais tocadas
no ano de seu lançamento em 2002.





                            





Carrie - Europe


Carrie da banda de rock farofa, Europe 
é legalzinha, apesar de eu achá-la 
um tanto melosa demais.




                             










Dani - Biquíni Cavadão



" Dane-se o emprego, o salário, o patrão."

(Não sei porque, eu me identifico bastante com essa
parte da música, he he he.)


Dani da Banda Biquíni Cavadão(nome peculiar)
é uma das músicas mais legais com nome
feminino.

Ela é animada e muito boa de ouvir.

( E quem nunca conheceu uma Daniela ?)





                            










Joanna - Kool e The Gangs


Essa é pra galera das antigas mesmo.

Joanna é mais uma declaração de amor,
essa cantada pela banda Kool e The Gangs
lá em 1983.



                        








Nikita - Elton John


É uma das minhas favoritas de 
Sir John e também uma das melhores
que já ouvi na vida.

Nikita é de 1985 do álbum Ice on Fire
e é uma das músicas mais famosas dos
anos 80.

O clipe da música é bem humorado
e mostra as tentativas do senhor 
Elton de conquistar a militar
séria chamada Nikita.

Confere aí.


                           











Sara - Starship


E  chegamos á ultima música, a Sara
da banda de rock chamada 
Starship.

Ela é a minha favorita desse post
e uma das melhores que ouvi
na vida.

Foi lançada em 1986 e fez bastante sucesso.








É isso galera, espero que tenham gostado
dessas músicas que escolhi, até
a próxima.













sábado, 18 de fevereiro de 2017

Coisas Que Marcaram a Minha Vida - Star Wars !!!

(Artigo para ler ouvindo Star Wars Throne Room Theme.)

Star Wars, a obra máxima de George Lucas é responsável por
criar sentimentos de nostalgia em muitas pessoas ao redor do mundo
e comigo não é diferente.

Nesse sábado, falarei dos quadrinhos, games e claro dos filmes da franquia, que marcaram a minha infância e 
adolescência,vamos nessa 
e que a Força esteja com vocês.






Filmes


Acredito eu, que o primeiro contato que tive com os filmes
da saga, foi em uma locadora quando criança.

Me lembro perfeitamente bem, me deparar com um box
com a trilogia clássica ainda em VHS, isso lá em algum 
ano da década de 90, antes ainda do lançamento de
Ameaça Fantasma.

Lembro que não entedia direito o que eram aqueles filmes, mas
fiquei bem curioso.

Os anos passaram, até que em 1999 chegava aos cinemas
o Ameaça Fantasma, que fez Star Wars voltar com força total.

Mesmo que hoje todo mundo fale 
que o filme não é lá essas coisas( e com razão)
ele tem um grande valor, pois foi o responsável por reapresentar
Star Wars para toda uma nova geração(eu incluso.)

Eu não pude ver o filme no cinema na época, mas graças a popularidade
renovada da franquia, os filmes antigos da saga começaram á ser reexibidos na
TV, (Se não me engano no SBT) e lá fui eu assistir aquela trilogia clássica.

Antes de falar dos filmes, devo dizer que como todo iniciado em
Star Wars em uma época que o acesso á internet era para poucos, eu realmente achava
que os filmes antigos se passavam antes dos novos, já que isso era algo meio
óbvio de se pensar.
Quando descobri que era ao contrário, minha cabeça explodiu.

Bem, vamos em frente.







Uma Nova Esperança


Como já disse a primeira vez que assisti aos filmes foi no SBT e eu me lembro
até hoje o prazer de assistir Uma Nova Esperança pela primeira vez.

Tá no começo eu estranhei um pouco pelo filme ser "velho", mas
logo lá estava eu fascinado pela história e assistindo aquele filme
com cara de bobo.

Me identifiquei com o garoto protagonista Luke Skywalker,
achava Obi-Wan e Han Solo fodas, fiquei bastante atraído 
pela Leia(e quem não ficou ?), Chewbacca e R2 se tornaram personagens
não humanos bem queridos por mim e claro, achei Darth Vader
um dos melhores personagens que já tinha visto.

Tudo no filme me fascinava: as naves, os sabres de luz, a Estrela da Morte.

Foi um filme marcante pra mim.






O Império Contra-Ataca


Bem, depois de ver Uma Nova Esperança, eu fiquei bem curioso
em saber como a história continuava e pra minha
alegria, não demorei muito pra descobrir.

O Império Contra-Ataca foi um filme que marcou
pra valer a minha infância, pois ao contrário do
primeiro aonde os heróis venciam, esse os vilões
que levavam a melhor no final.


O filme é mais dramático e sombrio que o antecessor.

Han é congelado vivo, Luke perde a mão
e descobre que o seu maior inimigo
é na verdade o seu pai.

Uma revelação que me deixou impressionado
e que o meu pai teve a espiritualidade de 
não revelar.

Um filme incrível.



O Retorno de Jedi


É claro que eu queria saber como a história acabava e
pra minha alegria, descobri quando
finalmente assisti ao Retorno de Jedi.

Dos três filmes da trilogia clássica, ele
é o mais fraco, mas ainda assim considero
um bom filme, bem divertido
e cheio de cenas memoráveis.

Ver o fim do império, a redenção de Vader
e o triunfo dos heróis, foi demais.








A Ameaça Fantasma


Apesar de ser pequeno na época, eu me lembro bem da 
"Star Wars Mania" que Ameaça Fantasma provocou
no final dos anos 90.

Na TV só falavam disso, nas ruas era
possível ver brinquedos e mais brinquedos
baseados no novo filme(eu tive alguns, já falo deles.)
Star Wars estava de volta.

Infelizmente eu não pude ver, o filme no cinema,
mas quando ele finalmente saiu na TV, foi uma
alegria só pra mim.

As dinâmicas lutas com os sabres, as naves,
a corrida de pods, eu amei tudo aquilo.

Com o passar dos anos comecei á notar
os erros no filme e ver como o 
Jar Jar Binks era chato.

E quando finalmente comecei a usar 
a internet, vi que muitos dos
fãs da saga, renegam esse
episódio 1.
(Alguns fãs mais radicais, odeiam toda a trilogia prequela, mas estou me adiantando)


Bem,eu não odeio o filme.
Sei que ele tem problemas, estou ciente disso,
mas ainda consigo gostar ou relevar quase tudo nele
exceto o Jar Jar, ele é ruim demais.







O Ataque dos Clones


A primeira vez que tomei conhecimento do Ataque dos Clones
foi no cinema.

Eu havia ido assistir á um filme com o meu pai
e o meu irmão(Acho que era o primeiro Homem-Aranha)
 e lá vi o trailer do novo Star Wars do ano.

É, naquela época ainda era necessário ir ao cinema
para ver os trailers, ao contrário de hoje em dia
que basta entrar no Youtube pra um trailer
literalmente brotar na sua cara.

Bem, ao ver aquilo fiquei super-empolgado e
prometi á mim mesmo que esse Star Wars veria no cinema.

Adivinhe: Isso não aconteceu.

Naquela época eu era um moleque tapado, que não saia
sozinho e o meu pai não quis me levar e mais uma vez
tive que esperar o filme sair na TV para poder assisti-lo.


A primeira vez vi o Ataque dos Clones foi na 
Record e eu amei o filme.

Achava espetacular.

Hoje sei, que ele tem vários problemas, mas mesmo
assim gosto dele.








A Vingança dos Sith


E chegamos ao terceiro e último filme da trilogia prequela.

E mais uma vez, eu não consegui vê-lo no cinema.

É, triste.

Mas quando o DVD saiu, eu fui correndo na locadora
alugar e vi esse filme até enjoar.
(Até rimou.)

Há um consenso que Vingança dos Sith é o melhor
filme da trilogia prequela e eu concordo com isso.

A história flui melhor que nos dois filmes anteriores
e as cenas de ação são incríveis.

Foi esse filme que me fez virar realmente um fã de Star Wars.



Bem, já falemos dos filmes, agora é a hora 
das outras coisas, começando pelos brinquedos.






Bonecos


Eu tive alguns bonecos de Star Wars na infância, a maioria deles
relacionados ao Episódio 1.

Vou falar um pouco deles aqui.

As fotos que usarei são apenas ilustrativas, eu não tive
os exatos brinquedos delas e sim versões piratas.
É piratas, quem não teve brinquedos falsificados na infância
 que atire a primeira carteira, seu riquinho esnobe de merda.

Vamos lá.




Anakin Criança


Sim, eu tinha um boneco desse moleque chato
e...não é que ele era bem parecido com esse da
imagem, tinha a mochila é tudo.

Será que ele era original ou uma 
falsificação muito bem feita ?

Acho que nunca saberei, porque um dia 
quando o tédio bateu, eu enterrei o pequeno
Anakin e como toda criança que faz essa
asneira, eu esqueci aonde o sepultei.

Ele deve está lá até hoje descansando em paz.




Obi-Wan


Além da figura do pequeno Jake Lloyd, também
tive uma do senhor Ewan McGregor.

O meu boneco era mediano e tinha um sabre de luz parecido
com esse da imagem, mas não tinha detalhes de pano 
na roupa(é claro, ele era pirata cacete).

Como o pequeno Anakin, o jovem Obi-Wan também
teve um destino cruel em minhas mãos, eu quebrei seus
braços e pernas, durante minhas brincadeiras estúpidas.

É, bonecos não duravam muito comigo.

Peraí, que cara de psicopata é essa desse boneco da imagem ?

Parece até que ele quer enfiar o sabre no lugar mais escuro
de alguém, eu hein.








Qui Gon Jinn


Não, eu não tive também um boneco do pai mais 
perigoso do mundo, essa honra foi do meu irmão.
(Analisando isso hoje em dia, não faz muito sentido
ele ficar com o boneco do mestre e eu com o do aprendiz,
Eu sou o irmão mais velho cacete.)

Bem, como o meu irmão era mais cuidadoso do que eu, o
boneco do Liam Neeson fazendo cosplay de Jeová, durou
bem mais do que o do Anakin.

Mas no fim também acabou se dando mal.







Padmé


Também não tive a Padmé, ela foi do meu irmão.

Quando o meu pai comprou os bonecos, ainda não havíamos 
assistido ao filme, por isso tudo muito achava que a Padmé
também fosse um menino.

Quando descobrimos a verdade, meu irmão não a quis mais,
porque "boneca é coisa de menina" e ele deu a Padmé para uma prima
nossa.

Que fim ela teve, eu nunca saberei.





Darth Maul


E chegamos ao último boneco de Star Wars da minha
infância, o senhor sub-aproveitado Darth Maul.

Meus pais são evangélicos, então nem preciso
 dizer
que eles odiavam esse boneco.

Tanto que quem me deu ele, foi um tio meu.

Brinquei muito com esse Darth Maul, até ele
se dá mal um dia.





Vamos para a próxima coisa da lista.






Os Mangás de Star Wars



Existem muitas versões em HQs da saga de George Lucas.

As primeiras eram adaptações dos filmes 
clássicos, feitas pela Marvel.

Mas depois houveram também várias novas
histórias, que junto com os livros e games
criaram o chamado
Universo Expandido da saga.

Mas os quadrinhos de Guerra nas Estrelas que
marcaram a minha infância foram as versões
em mangá da saga, publicadas aqui pela
JBC, lá no início dos anos 2000.






(As duas edições que tenho.)


Essas histórias adaptavam quase
que literalmente os filmes com uma
pegada de mangá.

Eles dividiram os longas em quatro
volumes e eu só tive, os volumes
4 das adaptações de o
Império Contra-Ataca e o Retorno de Jedi.


Lembro que o meu pai comprou essas histórias pra
mim em um dia que eu estava andando com ele
de metrô.

Eu gosto bastante dessas histórias
e li e reli várias vezes.







O Game de Star Wars


Infelizmente, apesar da grande quantidade de games
que a franquia tem, só um marcou a minha
infância.


O Star Wars - A New Hope
para Master System.


Aluguei essa fita na locadora, várias e várias
vezes, até zerar.

Ele é até hoje, um dos meus games favoritos
do console da Sega.


Nostalgia vai á mil.



(Eu não atirei primeiro não parça, pergunta pro Lucas.)



Bem é isso galera, espero que tenha gostado.

Até a próxima e que a nostalgia
esteja com vocês.



























sábado, 4 de fevereiro de 2017

O Chamado 3 - Crítica.


O Cinema de horror é algo que sempre mudou com
o passar das décadas, acompanhando os medos
e as paranoias da população.

Nos anos 40 eram os monstros clássicos 
da literatura que ganhavam vida.

Drácula, Lobisomen, Frankenstein e etc.

Nos anos 50, foi a vez dos aliens e de suas
invasões.

Nas décadas de 60 e 70, a possessão demoníaca e os
filhos do demônio estavam na moda, com
filmes como O bebê de Rosemary
o Exorcista.

Os anos 80 foram a era dos
Slasher Movies e seus icônicos
psicopatas invencíveis:
Michael Myers, Jason Voorhees,
Freddy Krueger, Pinhead entre outros.


Porém nos anos 90, a coisa já não
era mais como antigamente.

Poucos filmes de terror se destacavam ou
faziam sucesso e foi aí que
os produtores americanos, descobriram uma
mina de ouro no cinema de horror oriental.

E um desses filmes que mais chamou 
a atenção foi o Ringu.




(O horror original)

Baseado em um livro, Ringu 
que é de 1998, conta
a história de Sadako Yamamura
uma garota com poderes telepáticos
que é morta e volta para assombrar
e matar os vivos, através de um VHS
amaldiçoado.


A história, assustadora e genial do filme
fez com Hollywood fizesse uma versão
ocidental dele, assim nascendo o Chamado.



(Sadako se torna Samara.)

O filme de 2002, adaptava quase que literalmente
o filme original, com algumas diferenças e
nem é preciso dizer que ele 
foi um sucesso não é ?!

Tanto que em 2004, foi feita uma sequencia
com uma história mais "original", mas infelizmente
o Chamado 2 é bem fraquinho.


Nesse meio tempo, o cinema de terror ocidental, havia
finalmente se reinventado com o
estilo de falsos documentários
iniciados com a Bruxa de Blair
de 1999, que inspirou mais
tarde franquias como
Atividade Paranormal e Sobrenatural.

Depois disso ainda viria o 
"terror explícito" com filmes como
Jogos Mortais e Centopeia Humana.


A essa altura parecia que a fantasma cabeluda
finalmente sossegaria em seu poço.

Mas você sabe.

O mal nunca morre.

E agora em 2017 é finalmente 
lançado o terceiro capítulo
da história de Samara.

Veremos se é bom.



(Olha quem voltou.)


Os protagonistas desse terceira parte são
o casal de namorados Julia e Holt
vividos por Matilda Lutz e
Alex Roe.

O que pouco que é mostrado deles
sugere que ambos tem uma vida
comum, até Alex ir á faculdade e participar de uma"experiência
estudantil", feita por um professor chamado
Gabriel, que é interpretado por 
Johnny Galecki, o Leonard de
Big Bang Theory.

O tal professor assistiu a fita e pra escapar
da maldição passou ela
para alguns de seus alunos, que também
precisam de "seguidores" se quiserem
sobreviver.

Julia fica sabendo de tudo isso e pra ajudar
o namorado, acaba assistindo a fita
também e aí que as coisas mudam, quando
eles descobrem que existe
um filme, dentro do filme.

O restante do filme mostra a investigação
dos dois da origem de Samara, para poder
salvar Julia.



(Casal azarado.)



Apesar de bons momentos, apenas
o início e o final, são as melhores
coisas do filme.

O meio é arrastado e até meio
chato em algumas partes.



O filme não tem lá muitos sustos e
a própria Samara aparece pouco.


Mas acho que posso dizer, que ele
é bem melhor que o Chamado 2,
mas ainda está longe da qualidade do primeiro filme.


(Já vi isso em algum lugar.)


Finalizando, o Chamado 3 é
um filme que dá pra se
divertir se você gosta de terror,
mas se quer ficar com medo mesmo,
sugiro procurar outros filmes.



Título: O Chamado 3 (Rings)

Ano: 2017

Direção: Javier Guetiérrez 

Roteiro: David Loucka,
Jacob Aaron Estes e 
Akiva Goldsman.


Elenco: Matilda Lutz, Alex Roe,
Johnny Galecki, Vicent D'Onofrio
Bonnie Morgan
entre outros.


Nota: 7/10
















Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...